PetShop's: Cosméticos animais

Boa tarde internautas, tudo bom do lado daí?

        É comum que nestes tempos de crise econômica, algumas pessoas, começam a pensar sobre quais ações estamos tomando para superar a crise, e as vezes até desejam ser empreendedores.

Uma boa ideia, que vim pesquisando a um tempo, e conversando com algumas pessoas é sobre PetShop.


Segundo um levantamento realizado em 2015 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui 132,4 milhões de animais de estimação em seus domicílios. Sendo que 52,2 milhões são cães, 37,9 milhões são aves (passarinhos, patos, gansos e galinhas que não são criados para o consumo das pessoas), 22,1 milhões são de gatos, 18 milhões são peixes ornamentais e 2,21 milhões de pequenos animais, como répteis (Iguanas, cobras e lagartos) e mamíferos (ratos, chinchilas, coelhos e até porquinhos). E que cada vez mais eles são tratados como verdadeiros membros da família, muitas vezes, dormindo na mesma cama que os proprietários.  O que acentua os hábitos de limpeza e higiene, redobrando os cuidados e gastos com esta população. Impressionante, não é mesmo?
Ainda devemos considerar o expressivo crescimento deste mercado nos últimos tempos. Segundo a Pet Brasil, o Brasil é um dos países que mais cresce no segmento pet no mundo com 6,3% do mercado global, perdendo apenas para os Estados Unidos (41,8%) e Reino Unido (6,5%).
Outro número expressivo apontado pelo SEBRAE/SP demostra que existem cerca de oito mil pet shops em todo país, responsáveis em gerar mais de 30 mil empregos. Além disso,  indústria de serviços para animais de estimação faturou R$ 3 bilhões em medicamentos veterinários e equipamentos e acessórios para higiene e beleza chegaram a 1,2 bilhões.
Os dados de crescimento do setor também impressionam. Segundo cálculos da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) o mercado dos pets brasileiro é o terceiro maior do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos e Reino Unido e ganhando de países como França, Japão e até a China, que é o país que possui mais animais de estimação no mundo. O crescimento do setor até o final de 2016 será de 6,7%, o que gerará um faturamento de R$ 19,2 bilhões.
As empresas deste setor estão divididas em 4 grandes segmentos:
  1. O de Pet Food, segmento de alimentação que inclui rações, snacks, bifinhos, biscoitos e petiscos em geral. Ele é o principal responsável pelo crescimento e faturamento do setor, com uma fatia de 67,6% do faturamento.
  2. O segmento de Pet Vet, composto por medicamentos veterinários, é responsável por 8,1% do faturamento.
  3. O segmento do Pet Serv, que inclui serviços de adestramento, comércios, hotéis e até creches para nossos estimados bichinhos. Este segmento é o segundo que mais fatura, sendo responsável por 16,2% do faturamento do setor.
  4. Por fim, o Pet Care, focado em produtos de cuidados para os animais, como equipamentos, acessórios e produtos de higiene e beleza. É o terceiro que mais fatura, representando 8,1% do montante.
Sinceramente, os números me animaram, pois se considerarmos que a economia passa por um forte momento de crise com previsão de decrescimento do PIB em 2,95%, encontrar um setor que continua crescendo é algo extremamente positivo e animador!

Onde investir no mercado dos Pets?

Eu me fiz essa pergunta após a análise dos números, mas preferi pesquisar um pouquinho mais. Descobri que, segundo a Abinpet, o setor de Pet Food atingiu em 2015 apenas 43% de seu potencial de produção, o que mostra que até o setor que mais fatura ainda possui 57% de potencial de crescimento.
Também descobri que, nos Estados Unidos, apenas duas grandes redes são responsáveis por 75% das vendas de comida animal, e que no Brasil essa tendência já é sentida nas grandes cidades com o surgimento de super lojas. Por outro lado, em países desenvolvidos, o comportamento é contrário e as pessoas preferem comprar de lojas menores e mais próximas de sua residência.
Bom, mas além do setor de alimentação existem outras oportunidades diretamente relacionada ao mercado dos pets:

Treinamento de donos e adestramento de animais de estimação

Com o aumento de pessoas morando em apartamentos, há uma necessidade cada vez mais latente em treinar os animais para habitarem nos pequenos espaços. Além disso, os donos também precisam ser treinados para evitar que a tratativa com os pets se torne tão humanizada que não leve em conta os instintos e necessidades próprias de cada estilo e raça de animal.

Petsitter

Mais que passear e dar alimento na hora certa, o serviço de babás de bichos de estimação inclui ensinar pequenos truques, fazer companhia para o bicho e, principalmente, acompanhar o tratamento e recuperação de animais que tenham passado por cirurgia. Este é um serviço que ainda está despontando no Brasil e que exige que o profissional tenha capacitação em adestramento e cuidados com os animais, além de gostar de estar acompanhado por eles.

Hotel e creche

Todos nós já ouvimos falar em hotel para animais de estimação, que são muito usados em momentos de férias e de viagens dos donos. A novidade nesse segmento é o serviço de creche. Com o tratamento cada vez mais humanizado, os pets são enviados para lugares que reúnem outros bichinhos e passam o dia realizando algumas atividades enquanto seus donos trabalham.

Banho e tosa

Já tentou agendar um horário para que seu amiguinho tome um banho em um sábado ou feriado? Sem antecedência, conseguir um horário é quase que uma façanha, dada a quantidade de demanda por esse serviço. Seu principal ponto negativo é que as pessoas quase sempre privilegiam que o banho seja realizado no sábado, pois não conseguem deixar e buscar os animais durante o horário de expediente de seus trabalhos. Criar e divulgar horários alternativos (após o expediente comum, por exemplo), assim como serviços de transporte dos bichinhos é uma maneira eficiente de driblar essa sazonalidade semanal e aumentar o faturamento do banho e tosa.

Acessórios

Roupinhas, brinquedos, comedouros e todo tipo de assessório que possa dar ares humanizados para o bichinho são bem aceitos pelo mercado. A dica é criar assessórios pensando no estilo dos donos, em seus hábitos e atitudes. Crie assessórios baseados nos nichos de consumidores e não no mercado em geral. Por exemplo, uma roupinha de balé dificilmente será vendida para uma pessoa que participe de um moto clube, mas uma roupa que simule seu colete ou roupas de couro serão rapidamente compradas pelos fãs!

Plano de Saúde Animal

Este é um dos segmentos que clínicas veterinárias podem atuar mais fortemente. Criar uma quantidade de serviços que o cliente pode utilizar durante o ano ou mês e cobrar um valor diluído em 12 mensalidades vem sendo uma das formas de garantir a fidelização dos clientes e faturamento recorrente das clínicas. A inclusão de serviços de banho e tosa, consultas veterinárias, vacinação e vermifugação anual é uma das maneiras de agregar valor e criar pacotes diferenciados de planos.

Alimentação Premium e Padaria Pet

Apesar de precisar da autorização do Ministério da Agricultura e da contratação de um veterinário ou zootecnista responsável pela tabela nutricional dos produtos que serão produzidos e comercializados, o setor de alimentação premium (alimentos feitos com ingredientes selecionados e de boa qualidade), bem como o de padaria pet (que fornece produtos fresquinhos) estão conquistando o gosto dos fregueses e aumentando o faturamento do segmento de Pet Foods.
A variedade de produtos cosméticos voltados para o segmento animal vem crescendo de forma surpreendente. Cada vez mais as empresas produzem itens parecidos com os dos humanos, principalmente no ramo dos cosméticos animais.
Existe uma diversidade grande de produtos, como: shampoos, condicionadores e hidratantes, além de produtos específicos, como os tapetes higiênicos, direcionados para este público.
Tal crescimento aumenta o nível de exigência na produção. Isso resulta em uma atenção especial no que diz respeito ao controle de contaminação, pois os consumidores estão cada vez mais exigentes quanto a qualidade, eficiência e sofisticação dos produtos.
Com tantas opções de investimento, números positivos e tendência de crescimento, entendi o porquê de vários empresários do ramo de petshop estarem rindo e dizendo que a crise não afetou o seu setor. Realmente, é um negócio e tanto, não acha?
E você, investiria nesse ramo? Que tipo de negócio criaria? Conhece outro setor do mercado que possua números melhores que o mercado dos pets? Deixe seu comentário  para nós fazermos outras analises.

Autor: Eddie

Comentários

Postagens mais vistas

Como foi 1° Dia de Brasil Game Show (Imprensa) ?

Dicas de filmes sobre empreendedorismo – Parte II

ROCKFEST, o verdadeiro festival de Rock ‘N’ Roll!

M.G.: Marvel's Avengers - Novo Game da Square Enix

FILMES: VENTOS DA LIBERDADE