Dicas: Como abrir um Bar lucrativo


Dicas de como ter um bar lucrativo gastando pouco e sem cometer erros, ganhe muito dinheiro com comércio varejista de bebidas e bens acessórios complementares. Aprenda tudo: investimento, localização, equipamentos, fornecedores, mercado, concorrência, riscos, legislação, mão de obra especializada, captação de cliente, financiamento, atendimento e muito mais…

HISTÓRICO
Ser proprietário de um bar significa saber ver pessoas divertindo-se enquanto você dá duro. Mas se enfim, você está decidido a enfrentar essa doce batalha, podemos dizer que deverá construir com cuidado a base: Público-alvo, nome, localização e capital. É a partir daí que cardápio e preços serão estabelecidos. Mas isto só, não basta, fazer pesquisas, perguntar e conversar com garçons (dicas para aliviar a dor), é outro fator importante.

MERCADO
No Brasil, bares, restaurantes e similares são responsáveis diretos pelo “ganha pão” de quase 2 milhões de pequenos empresários e pela geração de no mínimo 5 milhões de empregos. Ao final das contas, são 7 milhões de pessoas na atividade.
Analisando os dados acima pode-se verificar que o mercado é bastante competitivo, desta forma a busca por novidades, visando atrair mais fregueses, será o grande diferencial neste tipo de atividade.

LOCALIZAÇÃO
Fora as exceções em que casas finíssimas fazem sucesso em bairros modestos, existem pontos já afirmados pela presença de vizinhos de sucesso no ramo e que “cobram”, obviamente, o preço da fama. Decidir qual caminho tomar é um misto de coragem e bolso, além disso, outros cuidados na escolha do ponto passam por : custo do aluguel, prazo do contrato (cuidado com prazos curtos: com o sucesso da casa o proprietário poderá querer aumentar o aluguel), reajustes, reformas a fazer, Código de Posturas ou Plano Diretor Urbano do Município.

ESTRUTURA
Consultar o arquiteto e o decorador resulta, sempre, em economia. São eles que vão ajudá-lo a navegar no mar revolto que define a fase de obras e o orientarão em fatores como ergometria, fluxo de operação da cozinha e garçons, cores que estimulam apetite, provocam animação, etc.
Um visual bem cuidado é um passaporte para o sucesso.

EQUIPAMENTOS BÁSICOS
– Freezers, fogões, ar condicionado, equipamentos de som, máquinas registradoras, televisão, computadores, etc.;
– Os materiais de uso, tais como: talheres, pratos, copos, panelas cinzeiros, etc.
– Os materiais de consumo, tais como: comidas, bebidas, limpeza e administrativo.

INVESTIMENTO
Varia de acordo com a estrutura do empreendimento, podendo esta variação girar em torno de R$ 60 Mil.

PESSOAL
As três peças fundamentais são o gerente, o mâitre e o cozinheiro-chefe, mas o porte do estabelecimento determinará que o próprio dono acumule a gerência geral às vezes com o serviço do mâitre e mesmo com a cozinha. Os outros elementos que poderão estar compondo esse quadro são os garçons, o barman, os copeiros, guardadores de veículos e seguranças.

PÚBLICO ALVO
As perguntas deverão ser: a quem se pretende atender (faixa etária, hábitos alimentares, etc) e a quais faixas salariais (classes A,B ou C). É que não adianta fazer uma discoteca “dark” para malhadores de academia ou uma churrascaria para vegetarianos, ou seja, definir o público-alvo, é parte importantíssima neste empreendimento. Existe ainda a opção dos atuais bares temáticos.

NOME
É fundamental para o sucesso e deve estar de acordo com o ambiente e o público-alvo.

CARDÁPIO
Não se prender a agradar a gregos e troianos. Especializar-se, ou seja, quanto menos opções ao cliente melhor para você, que poderá inclusive controlar melhor seu estoque. Mas se quiser variedade no cardápio, procure alterá-lo semanalmente em alguns itens. Lembrando sempre que os garçons devem estar instruídos sobre a composição dos pratos.

PREÇOS
Regra básica: comida tem margem pequena e serve mesmo como carro alegórico para vender bebida. Outra dica é orientar-se pelo que determinam tratados internacionais de hotelaria: para as comidas o custo dos materiais deve ser menor do que até 40% do preço de venda e para as bebidas, o custo deve ser 25% do preço de venda. Mas quente mesmo é estar sempre atento aos cardápios da concorrência, tentando ganhar o máximo vendendo produtos com larga margem de lucro e abandonando os deficitários.

IMPLANTAÇÃO
Deve-se começar pela escolha e treinamento do pessoal, seguido da confecção dos uniformes e da compra de material como luminosos, freezers, cardápios, mesas, cadeiras, etc. Isso poderá estar envolvendo contratos com distribuidoras de bebidas.
Além disso, considerar também a definição de tipos e quantidades de material permanente e sua posterior instalação, bem como a compra do material de consumo, sem esquecer da divulgação da inauguração.

DIMENSIONANDO
Estipular as quantidades do material necessário ao funcionamento da casa dependerá obviamente da definição de alguns parâmetros como: cardápio, instalações físicas, número de clientes/refeições estimadas e verbas disponíveis.
Propaganda

A mais indicada é a distribuição de material promocional (camisetas, bonés, folders) em princípio a formadores de opinião e VIP’s. Mas a divulgação através das trucks  (os carros de foods trucks) e das agências de turismo receptivo (que têm interesse na divulgação dos atrativos da cidade) são boas sugestões. Uma boa alternativa é a distribuição de convites a indivíduos que personifiquem o público que você quer ver frequentando seu bar.do.

Espero ter ajudado,  bora no próximo artigo (em 2017), vamos falar de outras dicas para empreendimentos.

Artigo: Eddie.


Comentários

Postagens mais vistas

Como foi 1° Dia de Brasil Game Show (Imprensa) ?

Dicas de filmes sobre empreendedorismo – Parte II

ROCKFEST, o verdadeiro festival de Rock ‘N’ Roll!

M.G.: Marvel's Avengers - Novo Game da Square Enix

FILMES: VENTOS DA LIBERDADE